Política

Notícias

“O correto seria pagar e está justificando algo injustificável. Comprou tem que pagar,” fechou.

O que trará mais segurança e transparência ao trabalho dos vereadores, disse o presidente da Casa Otacílio Jurema, Delsinho da Serra da Arara (PTC).

Os valores foram entregues pessoalmente ao gestor municipal, como condição para que a Prefeitura pagasse parte da dívida que tinha para com a empresa.

“Nós temos os votos necessários, temos 43 votos. A gente vai passar isso [na CCJ]", disse.

Segundo a chefe do Ministério Público Federal, não há provas de que os valores tenham sido utilizados para doações eleitorais, e, portanto, o inquérito deve ser arquivado nesta área.

Das irregularidades apontadas foram destacadas a falta de processos licitatórios, despesas não autorizadas, sem comprovação e falta de recolhimento das contribuições previdenciárias.